A ansiedade, as mão suadas e a inquietação estão sempre com seu filho na sala de espera do dentista? Se sim, como você deve imaginar, essa não é uma situação rara. O medo de dentista é algo comum entre as crianças e, inclusive, entre alguns adultos. É também comum que os pais não saibam lidar com essa situação em um primeiro momento, afinal, superar um medo não é uma tarefa fácil, muito menos rápida. Mas, o que fazer para perder o medo do dentista? 

Ainda que levar seu filho ao odontopediatra desde cedo seja o melhor caminho para que as consultas se tornem algo comum e corriqueiro, algumas crianças podem se sentir pressionadas, ansiosas e não colaborar com o tratamento. 

No entanto, você deve ficar despreocupado: felizmente, existe uma série de técnicas que auxiliam a reverter esse quadro. A seguir, conheça 8 dicas de como perder o medo do dentista e transformar as consultas de seu filho em algo simples, tranquilo e até prazeroso: 

1. Converse com seu filho

Se a criança já tem uma resistência ao dentista, conversar em casa e antes de cada consulta é o melhor remédio. Procure entender o que exatamente o assusta e o porquê desse medo. Mantenha a calma e explique para ele a importância e os benefícios de ir ao dentista.

Estimular a conversa sobre os medos e inseguranças é sempre de extrema importância. Coloque-se no lugar de seu filho: aceite suas fobias como reais e ajude-o a superá-las. Além disso, apoie, dê assistência quando ele não conseguir fazer algo sozinho e mostre que nada é impossível, nem mesmo superar um medo. 

2. Fale sempre a verdade

O desconhecido pode causar preocupação e ansiedade. Falar a verdade e comprová-la passará mais confiança ao seu filho e ele, por sua vez, saberá que o que você diz realmente acontece. Dessa maneira, quando for conversar sobre o dentista, seja sincero e calmo.

Tentar enganar a criança definitivamente não é uma boa ideia. Se você esconder a visita ao odontopediatra, ou falar que o motor não será utilizado em procedimentos que necessitam desse equipamento, pode ser que seu filho perca a confiança que tem em você e sinta muito mais ansiedade por isso.

Mesmo que não seja uma consulta de rotina, diga que o médico passa “remedinhos” antes de fazer qualquer coisa, para que não haja dor ou desconforto. Explique também a importância de se cuidar dos dentes: fale que o sorriso dele ficará muito mais bonito e que ele será muito mais forte!

3. Ensine sobre a saúde bucal desde cedo

Conversar com seu filho desde pequeno sobre os dentes e a importância de escová-los é fundamental, assim como as consultas periódicas. Quando a criança é acostumada a conversar sobre a saúde bucal e já conhece o dentista, as chances de se ficar assustado diminuem.

O problema está nas crianças maiores, na faixa dos 6 ou 7 anos, que não foram educadas quanto à importância da escovação e são levadas ao odontopediatra apenas para procedimentos invasivos ou quando já estão com a dor instalada. Isso faz com que suas primeiras experiências não sejam agradáveis, deixando o caminho aberto para o surgimento do medo. 

Lembre-se que as consultas de rotina têm o poder de prevenir e diagnosticar problemas dentários precocemente. Dessa maneira, são necessários poucos procedimentos dolorosos, tornando-se muito mais fácil perder o medo do dentista.

4. Dê um bom exemplo

Levar seu filho junto nas suas consultas também pode ser de grande ajuda. Assim, ele já consegue se familiarizar com o consultório, com os cheiros diferentes e com os equipamentos. Ele verá você sendo atendido e entenderá que deve ficar parado na cadeira enquanto a boca é examinada.

Crianças pequenas sofrem grande influência dos pais e absorvem suas atitudes como esponjas. Por isso, é muito importante que você também vá ao dentista e não demonstre medo, nem resistência. Aja como se fosse algo natural, importante e até prazeroso.

5. Não associe a consulta a castigo

Seu filho necessita entender que a vista ao dentista é algo necessário e que trará benefícios a ele. Associar as consultas à ameaças é um grande erro, podendo agregar diversos sentimentos ruins à figura do odontopediatra e até causar uma fobia de dentistas.

6. Escolha um dentista especializado em crianças

O odontopediatra aprende diversas técnicas para lidar com as crianças em seu consultório. O “falar, mostrar e fazer” é muito importante e aumenta muito as chances de sucesso da consulta, já que o medo, geralmente, vem do desconhecido.

Ao incluí-la, apresentar todos os instrumentos que serão utilizados e explicar os procedimentos antecipadamente para a criança, ela se sentirá uma parte importante do atendimento. Ela já sabe o que vai acontecer e conhece o que será posto em contato com a sua boca, o que diminui consideravelmente os motivos para se ter medo. 

Outra ação frequentemente utilizada pelos odontopediatras são as recompensas por bom comportamento. Pequenos brinquedos, escovas novas ou qualquer outra prenda simples causam na criança uma felicidade imensa, além de serem motivos para se querer voltar ao dentista.

7. Procure um odontopediatra paciente e didático

É essencial que o dentista tenha paciência de responder, de maneira didática e prazerosa, todas as perguntas de seu filho. Existem diversos profissionais que utilizam jogos e brincadeiras lúdicas a fim de se aproximar melhor da criança.

O medo do motor, por exemplo, pode ser facilmente evitado ao mostrar o equipamento de baixa rotação na mão da criança: a peça fará cócegas e, quando for a vez de colocá-la em contato com o dente, a criança vai achar divertido sentir os dentinhos tremendo.

Além disso, ter alguém que se preocupa com seu filho, querendo cuidar dele da melhor maneira possível, traz segurança não só para a criança, mas também para os pais.

8. Tenha cuidado com as palavras

Algumas palavras causam mal estar instantâneo em crianças. “Agulha”, “sangue”, e “dor”, por exemplo, são termos que devem ser evitados. Deixe que o odontopediatra explique o procedimento: eles são treinados para isso e possuem um vocabulário específico para lidar com os pequeninos.

Utilize sempre palavras positivas, fale dos dentes fortes, bonitos e limpos. Explique que, na primeira consulta, o dentista vai avisar que todos os dentes serão contados e avaliados, provavelmente fará a limpeza e polimento dos dentes e dará instruções de escovação.

Por fim, agir com carinho, amor e calma é sempre a melhor solução. Dê importância para as inseguranças de seu filho e o ajude a superar todos os obstáculos. Lembre-se de que quanto antes você começar, mais fácil será para ele perder o medo do dentista. 

Para receber em seu e-mail conteúdos relevantes e interessantes sobre saúde bucal, não fique de fora: assine a nossa newsletter!