Dentes brancos e um sorriso mais bonito são o desejo de muitas pessoas, o que tem aumentado a procura pelo clareamento dental, ultimamente. Mas quem pensa em passar por esse procedimento geralmente tem aquela dúvida clássica: é melhor fazer esse tratamento no consultório ou em casa?

Ambas as técnicas possuem prós e contras e devem ser prescritas por um profissional. O mais importante é que o seu caso seja avaliado por um bom dentista, que poderá definir não só o método mais indicado, como também o tempo de duração.

O procedimento caseiro pode ser mais barato, mas também exigirá mais disciplina, pois o tempo de tratamento é maior. Já o clareamento no consultório é mais rápido, porém, pode ter um efeito menos duradouro. Quer saber mais? Continue lendo!

Quem pode fazer o clareamento dental?

A princípio, qualquer pessoa pode se submeter a um clareamento dental, desde que apresente dentes e gengivas saudáveis e não tenha muitas restaurações. Porém, é sempre necessária uma avaliação profissional.

Pacientes com sensibilidade extrema nos dentes, grávidas, lactantes, alérgicos aos componentes da fórmula do gel clareador, pessoas com hipoplasia de esmalte ou indivíduos com menos de 16 anos podem exigir atenção especial, ou até mesmo receber contraindicação para o tratamento.

Além disso, é importante que o dentista avalie a saúde bucal do paciente (se haverá necessidade de uma limpeza profilática antes do procedimento), a cor atual dos seus dentes e também qual é a melhor estratégia para atingir os objetivos: o tratamento em casa, no consultório ou uma combinação entre os dois métodos.

A avaliação do profissional também identificará possíveis problemas bucais que podem impedir a realização do clareamento. Esse é o caso de quem apresenta doença periodontal, exposição radicular ou corrosão do esmalte.

Dependendo de cada caso, o problema poderá ser tratado para depois realizar o clareamento. Porém, pode ser preciso buscar alternativas para obter dentes mais brancos, quando o paciente não puder se submeter a esse procedimento, como nos casos de sensibilidade e exposição da raiz.

Existem técnicas diferentes para clarear os dentes?

Sim, existem dois tipos de técnica que pode ser utilizada no clareamento dental: a interna e a externa. Cada um dos dois métodos é definido pelo dentista responsável e recomendado segundo a necessidade do paciente.

Clareamento interno

É indicado para dentes que receberam tratamento endodôntico, aqueles escurecidos em função de reações a metais e em caso de traumas. Essa técnica é conhecida como walking bleach e consiste na aplicação de substâncias clareadoras dentro do dente a ser tratado.

É feita uma abertura na parte de trás dele, e o produto é aplicado na porção coronária. Ali ele age por cerca de uma semana e, depois, o paciente deve voltar ao consultório para trocar o produto até que se obtenha o resultado esperado.

Embora seja eficaz, essa técnica não garante que o dente clareado terá o mesmo tom dos demais. Isso porque ele pode ter adquirido uma cor diferente, como acinzentada. Nesse caso, apenas terá seu aspecto melhorado, mas não ficará branco como os outros.

Clareamento externo

O clareamento dental externo é uma técnica mais conhecida e comum, geralmente indicada para tratar todos os dentes. Nesse caso, o especialista aplica o produto sobre o esmalte, e o tom mais branco é alcançado conforme maior for o contato do dente com o gel clareador.

É importante proteger as gengivas para evitar que elas sejam agredidas pela ação do gel, que deve ter contato apenas com o esmalte dentário. Essa técnica pode ser realizada tanto no consultório como em casa. Os métodos utilizados para cada um desses tipos de clareamento são diferentes, como você verá a seguir.

Há diferença entre os tipos de clareamento?

Sim. E a principal diferença está no tipo de gel usado e na sua concentração, além do tempo e do custo do tratamento. No clareamento caseiro, pode ser usado um gel com peróxido de carbamida (numa concentração que varia de 14 a 22%) ou peróxido de hidrogênio (em uma concentração que vai de 7,5 a 10%).

Já no consultório, é usado geralmente o gel de peróxido de hidrogênio, em uma concentração bem superior, de 37 a 40%. Como ele é mais potente, só pode ser manipulado por dentistas, já que pode causar queimaduras e sensibilidade grave.

Ao contrário do que muitas pessoas imaginam, o laser não possui papel fundamental no clareamento em consultório. Na verdade, ele ou a luz de LED apenas servem para acelerar a ação do gel.

Outra diferença é o valor. O tratamento caseiro costuma ser mais em conta, já que, no consultório, o procedimento exige um material mais sofisticado (como o laser ou o LED) e, ainda, algumas horas a mais de dedicação do profissional.

Em relação aos resultados, quando o tratamento é feito de maneira correta e com supervisão adequada, não há diferença entre um ou outro. Na verdade, o que pode acontecer é um tempo de duração maior do efeito clareador quando se opta pelo tratamento caseiro.

Isso porque o gel utilizado também realiza uma microlimpeza, que aumenta de “potência” conforme o tempo de exposição — e, no caso do tratamento feito em casa, é maior.

Como funciona o clareamento caseiro?

O clareamento caseiro é feito com uma moldeira e um gel específicos para cada paciente, de acordo com as suas necessidades e o tempo de tratamento.

Antigamente, o procedimento era feito apenas com peróxido de carbamida, que necessitava de muitas horas de uso com a moldeira, fato que acabou deixando alguns pacientes com receio desse tipo de clareamento.

Hoje, ele é feito também com o uso do peróxido de hidrogênio (o mesmo usado nos consultórios, porém com uma concentração menor), e isso torna o tempo de uso da moldeira menor. Atualmente é possível, em alguns casos, que o paciente a use por apenas 30 minutos diários, durante duas semanas.

Mas é claro que o tempo do tratamento e do uso da moldeira poderá variar de acordo com cada caso. Em algumas situações, pode ser recomendado o uso do gel por até quatro horas diárias, durante três a quatro semanas (sendo que esse uso pode acontecer durante a noite, pois, depois do período máximo de ação, o gel para de fazer efeito).

Devido a esse tempo prolongado de exposição ao gel, uma desvantagem é que o método pode causar mais sensibilidade do que o feito em consultório. Por isso, é essencial que o tratamento caseiro também seja realizado sob orientação de um dentista.

Outra desvantagem é que o gel entra em contato com a mucosa da boca e também do trato gastrointestinal por ser deglutido. Essa exposição frequente e sem acompanhamento pode gerar outros riscos, dos quais vamos falar no próximo item.

O preço do clareamento caseiro pode variar entre R$ 700 e R$ 2 mil, dependendo do profissional, do material usado e também das características do tratamento.

Como funciona o clareamento em consultório?

O clareamento em consultório é feito com a aplicação do gel de peróxido de hidrogênio com uma concentração bastante alta após o isolamento da mucosa bucal e gengivas. Ou seja, o gel não entra em contato com os tecidos da boca, com exceção dos dentes.

Isso também evita a deglutição do produto que acontece no clareamento caseiro. É importante que seja assim pois os clareadores agem como potencializadores de outras substâncias, que ao longo dos anos se acumulam no organismo e podem levar ao desenvolvimento do câncer bucal. Então, tanto a mucosa da boca, quanto do estômago e intestinos estão mais protegidas nessa modalidade.

Pode-se usar o laser ou uma luz de LED para aumentar o efeito do clareador. O laser também pode ser usado no fim do tratamento para ajudar a dessensibilizar os dentes, sendo uma ótima opção para aqueles pacientes que já possuem um caso de sensibilidade anterior.

Em geral, o tratamento é feito em duas a três aplicações, com intervalo de uma semana. Mas, assim como o clareamento caseiro, esse período dependerá das características do dente e também da análise do dentista.

Por utilizar uma tecnologia mais moderna, o clareamento em consultório é mais caro e pode chegar a R$ 4 mil, dependendo do profissional. 

Uma desvantagem desse método, em relação ao caseiro, é que os resultados podem ter um tempo menor de duração. É por isso que muitos profissionais indicam um tratamento conjugado, feito com a moldeira, em casa, e finalizado com a aplicação do laser, em consultório.

Seja qual for o método escolhido, é preciso adequar as suas expectativas aos resultados possíveis, já que o clareamento apenas consegue deixar o dente até seis tons mais claros, mas ainda dentro das suas características.

Ou seja, se você possui um dente amarelado ou acinzentado, por exemplo, o clareamento não modificará esse aspecto, apenas melhorará a tonalidade dentro das possibilidades da sua matiz dentária.

De qualquer forma, é preciso cuidar da higiene, evitar a ingestão de determinados alimentos e realizar manutenção (que pode envolver um novo clareamento) a cada um ou dois anos.

Vale lembrar que o clareamento é um tratamento indolor e confortável, tanto aquele realizado no consultório como em casa. A quantidade de sessões e o tempo de manutenção variam para cada pessoa, por isso, na hora de fazer a avaliação, o dentista é quem poderá informar com precisão como deverá ocorrer o tratamento e os resultados possíveis.

É preciso algum cuidado especial depois do clareamento?

Essa é uma questão importante e que deve ter a atenção de quem deseja fazer um clareamento dental. Tanto durante o tratamento como após o procedimento, é preciso tomar certos cuidados para manter os resultados por mais tempo e evitar manchas.

As recomendações dos especialistas geralmente são ao fumo, que pode provocar o amarelamento do esmalte e reduzir o tempo de duração do branco. Além de comprometer a saúde bucal, podendo provocar doenças na gengiva e o câncer de boca.

Também é alertado sobre alimentos e bebidas. Tudo que possui corantes deve ser evitado, sejam eles naturais ou artificias. Isso porque os pigmentos podem provocar manchas nos dentes.

Com o clareamento, os poros do esmalte sofrem uma leve dilatação, suficiente para que os corantes penetrem e se depositem ali, alterando a cor do esmalte. Então, devem ser evitados, por exemplo:

  • café;
  • suco de uva;
  • vinho;
  • açaí;
  • refrigerantes;
  • alimentos com betacaroteno;
  • sucos artificias.

Também é recomendado o cuidado com bebidas e alimentos ácidos, como o limão, abacaxi e laranja. O contato excessivo da acidez com o esmalte pode causar sua corrosão ou aumentar a sensibilidade dentinária.

No caso dos alimentos não é proibida a sua ingestão, apenas recomendada a moderação no consumo, e também uma boa higienização após a refeição. Isso evitará que os pigmentos e a acidez fiquem em contato com os dentes por um período prologando.

A correta higienização é mais um fator importante, e deve realizada todos os dias após cada refeição. O ideal é utilizar a escova de dentes e o creme dental indicado pelo especialista, para prolongar o efeito branco e ainda evitar o atrito excessivo com o esmalte.

E os kits vendidos sem supervisão de um dentista?

Infelizmente, hoje é fácil encontrar kits de clareamento caseiro em farmácias e na internet, e muitas pessoas não buscam a indicação do dentista. Esses métodos são extremamente perigosos e nem um pouco indicados.

Utilizar uma moldeira fora dos padrões da sua boca pode propiciar o extravasamento do gel, causando queimaduras e lesões na gengiva e nas demais mucosas da boca, além de aumentar os riscos de ingestão do produto, levando a queimaduras gastrointestinais.

Os géis ainda não possuem uma especificação quanto à fórmula, então, a mesma concentração é usada para todos os pacientes. Isso pode causar desgastes excessivos do dente, sensibilidade permanente e outros problemas graves.

Essas moldeiras também podem causar problemas na articulação temporomandibular (ATM), porque forçam os dentes a ficarem em uma posição diferente da natural. Isso provoca sobrecarga nos ossos da face e ocasiona dores e desconforto.

Tanto o tratamento realizado no consultório como aquele feito em casa com supervisão do dentista promovem resultados satisfatórios. O uso de kits ou cremes dentais clareadores sem acompanhamento do especialista deve ser evitado.

O clareamento dental é um procedimento seguro que ajuda a alcançar um sorriso mais bonito e com aspecto saudável. Com a ajuda de um bom profissional você poderá ter dentes brancos optando pelo método ideal para você, sempre respeitando as características dos seus dentes e sua saúde bucal.

E você? Já fez um clareamento dental ou tem vontade de fazer? Conte para a gente nos comentários! Também registre sua dúvida se tiver alguma.