Os ossos maxilares do ser humano são muito fortes, e a prova disso é que a mordida de uma pessoa pode ter uma força equivalente a 68kg. Mesmo assim, eles também são acometidos por problemas, desencadeados por diversas causas — como é o caso da dor na mandíbula, ou seja, no maxilar inferior.

Você já sentiu essa “dor no queixo”, ao redor da face ou nos ossos que ficam perto dos ouvidos? Fique atento, porque quando ela se manifesta de forma constante é indício de que alguma coisa não está bem.

Preparamos este artigo para apresentar alguns problemas que desencadeiam a dor na mandíbula e como eles podem ser tratados. Continue lendo e informe-se melhor sobre o assunto.

1. Disfunção temporomandibular

Conhecida como DTM ou DATM, a disfunção temporomandibular é uma alteração funcional dessa estrutura. Esse problema pode ser causado por uma predisposição, lesões nos ligamentos, cartilagens ou ossos, inflamações, entre outros.

Para aliviar a dor na mandíbula, o tratamento da DTM varia de acordo com o que está causando a disfunção. Algumas condições que a desencadeiam são assimetrias faciais, bruxismo e problemas ortodônticos.

Os procedimentos adotados incluem o uso de anti-inflamatórios e outros medicamentos, correção da mordida e de desalinhamentos dentários, utilização de placa miorrelaxante para dormir, sessões de fisioterapia, cirurgia para correção dos ossos ou colocação de placas, controle de ansiedade e estresse, dentre outros.

2. Bruxismo

O bruxismo é um distúrbio que se caracteriza pelo ranger de dentes ou apertamento do maxilar inferior contra o superior de forma involuntária. Ocorre tanto durante o sono quanto em estado de vigília e provoca dores na mandíbula e dores de cabeça tensionais por sobrecarregar os músculos relacionados à mastigação e ao fechamento mandibular.

Esse problema pode se manifestar em pessoas de todas as idades, e na maioria dos casos é provocado pela ansiedade ou por estresse. Seu tratamento inclui a eliminação desses dois fatores e o uso de placas miorrelaxantes para reduzir a pressão sobre os dentes e os desgastes decorrentes dele. A aplicação de toxina botulínica nos músculos masséter e temporal também tem sido utilizada como uma opção para reduzir a força de apertamento.

3. Doenças e problemas bucais

Problemas que afetam os dentes, as gengivas e o osso alveolar também podem desencadear dor na mandíbula. Não que eles a afetem diretamente, mas os incômodos irradiam também para essa estrutura e causam as sensações dolorosas.

Cáries profundas, periodontites e abcessos são algumas complicações bucais que, quando em estágio avançado, desencadeiam as dores no maxilar inferior. O tratamento varia de acordo com a condição diagnosticada pelo dentista, sendo que inclui o uso de medicamentos, a raspagem periodontal, a restauração, entre outros.

4. Osteomielite

A osteomielite é uma infecção que afeta os ossos do corpo humano e também pode se desenvolver na mandíbula. Ela é causada por uma infecção bacteriana ou fúngica e gera, além da dor, inchaço facial e febre.

O tratamento dessa condição envolve o uso de medicamentos para combater o micro-organismo causador do problema — geralmente antibióticos. Outra intervenção possível é a cirurgia para remoção das partes ósseas afetadas pela infecção.

5. Desalinhamento

A dor na mandíbula também pode ser causada pelo fato de ela estar desalinhada, isso em função de uma característica inata da pessoa, por causa de acidentes ou traumas. A sensação dolorosa se manifesta porque os músculos e as demais estruturas precisam se adequar para encontrar uma posição confortável, que facilite a movimentação do maxilar.

Para tratar essa condição é preciso identificar aquilo que está causando o desalinhamento. Em alguns casos é necessário fazer uso de aparelhos ortodônticos para corrigir a mordida. Para situações mais críticas, a opção é a cirurgia.

A dor na mandíbula indica que algo não está funcionando como deveria. Se você a sente com muita frequência, é fundamental procurar a ajuda de um especialista. Ele vai identificar o problema para sugerir o melhor tratamento no seu caso. Além de aliviar a dor, você também prevenirá outras complicações.

Gostou de saber mais sobre o assunto? Então assine a nossa newsletter e receba, gratuitamente na sua caixa de e-mails, outros conteúdos como este!