Manter a saúde bucal em boas condições é muito importante para o bom funcionamento do organismo como um todo, além de fazer muito bem para a autoestima. Além de dentes brancos e fortes, um dos principais indicadores de que a saúde da boca vai bem é o hálito.

O mau hálito, também conhecido como halitose, não é uma doença, mas certamente indica que existe algo fora da normalidade. A maioria dos casos tem origem em problemas na própria boca, língua, gengiva e dentes, mas cerca de 10% do total de ocorrências são causadas por doenças em outras partes e sistemas do corpo.

No post de hoje vamos mostrar que a causa do mau hálito pode ser problema estomacal. Confira a seguir 7 disfunções do sistema digestivo que podem causar essa incômoda característica!

1. Gastrite

A gastrite é a inflamação da mucosa responsável pelo revestimento do estômago e pela emissão de ácidos e enzimas que atuam no processo de digestão. Uma parcela significativa dos casos é desencadeada pela presença da bactéria Helicobacter pylori, que leva à ativação de células inflamatórias na região.

Entre outros sintomas, a gastrite causada por essa bactéria pode provocar a halitose. Isso acontece devido à emissão de gases e ao aumento do tempo de permanência dos alimentos no estômago, fatores que interferem no hálito do paciente.

O tratamento geralmente dura entre uma e duas semanas e é realizado com antibióticos e outros remédios indicados pelo médico para reverter a inflamação das paredes do estômago.

2. Refluxo Gastroesofágico

O refluxo gastroesofágico, também conhecido como Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE), caracteriza-se pelo retorno dos alimentos e demais conteúdos do estômago para a parte posterior da boca, através do esôfago.

Com uma grande variedade de possíveis causas, a doença pode provocar mau hálito e ainda causar o desgaste do esmalte dos dentes, devido à ação do ácido estomacal. Ou seja, o refluxo gastroesofágico é um grande inimigo da saúde bucal.

O tratamento envolve o controle dos sintomas através de medidas como redução do estresse, mudança de hábitos alimentares, abandono do tabagismo e do consumo de bebidas alcoólicas.

A DRGE também pode se manifestar em crianças. Por isso, se você é pai ou mãe, fique atento aos sintomas e mantenha a saúde bucal dos filhos em dia!

3. Úlcera Estomacal

A úlcera estomacal é uma ferida na parede do estômago. Ela surge quando o suco gástrico, produzido com a finalidade de digerir os alimentos para que sigam seu fluxo natural no sistema digestivo, ataca as paredes do órgão, destruindo-as.

Assim como na gastrite, a bactéria Helicobacter pylori está ligada a boa parte dos casos de úlcera, juntamente com a Prevotella intermedia. O mau hálito é consequência do acúmulo de gases e da decomposição de tecidos danificados.

Outros fatores, como má alimentação, estresse e fator genético também podem causar a úlcera estomacal. O tratamento é feito, na maioria dos casos, com uma combinação de medicamentos que eliminam as bactérias e neutralizam a ação dos ácidos estomacais sobre a parede do órgão.

4. Má Digestão

A má digestão é a dificuldade ou lentidão do organismo para digerir os alimentos ingeridos. Pode ser causada por fatores como ingestão de quantidades exageradas de comida, alcoolismo, consumo de determinados medicamentos ou combinação inadequada de alimentos em uma refeição.

Geralmente leva ao acúmulo de alimentos no estômago, o que favorece a proliferação de bactérias de odor desagradável. Os arrotos e gases também são comuns nas pessoas que apresentam essa condição, e acabam se tornando responsáveis pelo surgimento da halitose.

Uma boa estratégia para melhorar a digestão deve envolver a ingestão de alimentos como maçã, abacaxi, chás de boldo e hortelã. Comer moderadamente e evitar beber líquidos durante as refeições também são boas medidas.

5. Diverticulose Esofágica

A diverticulose esofágica consiste na formação de uma pequena bolsa na parte posterior da passagem entre a faringe e o esôfago. Essa bolsa — o divertículo — retém alguns resíduos alimentares na região, impedindo sua chegada ao estômago.

Pode acontecer, então, um processo chamado regurgitação, no qual os alimentos retidos voltam para a parte posterior da boca e se acumulam ali, o que resulta no mau hálito. Outros sintomas são dificuldade para engolir, tosse persistente e dor na garganta.

O controle da doença geralmente se dá através do consumo de alimentos adequados, do rigor na mastigação e da ingestão regular de água. A cirurgia é recomendada apenas em casos extremos.

6. Tricobezoar Gástrico

O tricobezoar gástrico é o acúmulo de cabelos e pelos no estômago. Também conhecida como Síndrome de Rapunzel, a condição geralmente resulta de um distúrbio psicológico que leva o paciente a arrancar e comer o próprio cabelo.

Por não serem digeríveis, os fios se mantêm alojados e se entrelaçam no interior do tubo digestivo, causando dores, prisão de ventre, úlceras e, em muitos casos, mau hálito devido ao excesso de bactérias.

O tratamento depende do tamanho da massa presente no estômago, podendo haver necessidade de cirurgia. Também recomenda-se o acompanhamento psicológico para evitar a recorrência da ingestão de fios de cabelo.

7. Câncer de estômago

O câncer de estômago é o mais grave entre todos os problemas estomacais que podem causar a halitose. Ele leva à necrose dos tecidos cancerosos, o que resulta na liberação de odores bastante desagradáveis conforme o quadro progride.

Nesse caso específico, o mau hálito recebe a denominação de hálito necrótico, e sua intensidade varia de acordo com o estágio da doença, que pode ser detectada rapidamente através de um exame do hálito e deve, obviamente, ser tratada por um oncologista.

Apesar das doenças bucais serem as grandes vilãs quando se trata de casos de halitose, é importante lembrar também que a causa do mau hálito pode ser problema estomacal.

Portanto, cuidar da alimentação, ingerir a quantidade ideal de água e fazer visitas regulares a um gastroenterologista são atitudes extremamente recomendáveis. Além de manter o hálito fresco, outras doenças também serão evitadas e o aumento na qualidade de vida será notável.

Quer saber mais sobre saúde bucal e cuidados com o sorriso? Siga-nos no Facebook e receba nossas dicas e novidades sempre em primeira mão!