A perda do esmalte do dente não é um problema raro. Na verdade, ele é bastante comum e afeta pessoas de todas as idades. Essa é uma condição que deve ser evitada em função dos prejuízos que traz para a saúde bucal.

Afinal, o esmalte dentário é apenas uma das camadas do dente. Trata-se de uma formação mineral que protege as partes sensíveis, sendo a dentina e a polpa. Essas estruturas possuem terminações nervosas, então, se não houver o esmalte para protegê-las, sentimos dor, ficamos suscetíveis a doenças e há o desgaste do dente.

Neste post explicaremos o que causa a perda do esmalte e quais complicações isso traz. Descubra, também, qual é o tratamento indicado e quais resultados podem ser alcançados com ele.

O que causa perda do esmalte?

A perda do esmalte do dente é ocasionada por diversos fatores, por isso, ela pode afetar pessoas de qualquer faixa etária. De um modo geral, a danificação dessa estrutura é provocada por agressões.

A escolha errada da escova e da pasta de dente é uma dessas causas. As cerdas duras demais ou cremes muito abrasivos provocam atrito no esmalte desgastando-o gradativamente. A força excessiva aplicada durante a escovação acarreta o mesmo problema.

Outro fator é o bruxismo, um distúrbio caracterizado pelo ranger ou apertamento dos dentes de forma involuntária. A força e o atrito dos dentes superiores e inferiores ocasiona a perda do esmalte.

Esse problema também está associado com a cárie. O esmalte é danificado pelos ácidos produzidos por bactérias que se proliferam em resíduos alimentares. A gravidade do problema varia, podendo ser de uma pequena lesão até o comprometimento de quase a totalidade do dente.

Alguns tipos de alimentos também causam agressões aos dentes: aqueles muito ácidos, que provocam a erosão do esmalte, e também o refrigerante e outras bebidas. E quando a pessoa apresenta alguma deficiência nutricional isso afeta os dentes causando sua desmineralização.

Para evitar que esse problema aconteça é fundamental:

  • optar por produtos para higiene bucal que promovam uma limpeza delicada;

  • evitar hábitos que causem agressões ao esmalte;

  • manter uma alimentação balanceada e nutritiva.

Quais complicações a perda do esmalte do dente pode trazer?

Por se tratar de uma camada protetora, quando ocorre a perda do esmalte do dente há prejuízos tanto para a estética do sorriso como para a saúde bucal. Algumas das consequências negativas que podemos citar são:

  • sensibilidade dentinária;

  • diferença de tamanho entre os dentes;

  • alteração do seu formato natural;

  • irregularidades na estrutura do esmalte;

  • aumento da suscetibilidade para doenças bucais;

  • maior proliferação de bactérias.

É importante saber que a partir dessas complicações surgem outras. Algumas doenças bucais como as infecções na polpa dentária, podem acarretar a perda do dente em função da vulnerabilidade das partes sensíveis a infecções.

Quando a perda ocorre próxima à gengiva, existe maior risco de cárie radicular. E as bactérias acumuladas nessa região que se infiltram nas gengivas provocando inflamações e infecções nos tecidos periodontais.

Além disso, não podemos esquecer que a perda do esmalte do dente também afeta a estética do sorriso. Isso ocorre em função da alteração em seu formato, seu tamanho, nos contornos e ainda pelo surgimento de buracos e das lesões escurecidas da cárie.

Por isso, além de afetar a saúde bucal, essa perda também acarreta abalos para a autoestima, sendo fundamental combater esse problema e prevenir que ele venha acontecer outra vez.

É possível tratar esse problema?

A perda do esmalte do dente pode ser tratada, sendo que o procedimento adotado varia conforme o tipo de lesão e a gravidade de cada caso. Além disso, a intervenção deve ser complementada pela eliminação do fator causador da perda. Alguns procedimentos adotados são:

Aplicação de flúor e uso de cremes dentais específicos

Quando o problema ainda não afetou gravemente a estrutura do esmalte dentário, o dentista pode adotar medidas para realizar a sua remineralização. Nesse caso, a aplicação de flúor é bastante eficaz, mas deve ser realizada no consultório.

Em casa, é recomendado ao paciente utilizar cremes dentais enriquecidos com flúor, ou então o dentista indica aqueles que têm função de reparar a estrutura do esmalte. Eles são ricos em substâncias que nutrem essa camada e possibilitam que ela fique fortalecida.

Restaurações, coroas e blocos

Para aqueles que sofreram um maior comprometimento da estrutura do dente em função da perda do esmalte, seja por causa da erosão, abrasão ou da cárie, é necessário realizar uma intervenção mais expressiva para reconstruir o dente.

Em alguns casos, a restauração é suficiente para remodelar o seu formato. Porém, quando existe uma perda muito expressiva, que a restauração não cobre, o dentista indica o uso de coroas ou blocos de porcelana para recompor o dente danificado.

Uso de placas de mordida (miorrelaxantes)

Nos casos em que o problema da perda do esmalte do dente é ocasionado pelo bruxismo, o dentista indica a utilização de placas para uso noturno ou diurno. Elas são fabricadas exclusivamente para cada paciente em acrílico, acetato ou silicone.

A função dessas placas é amortecer a força exercida pelos maxilares e também evitar que aconteça o atrito entre os dentes. Mas ao mesmo tempo, pode ser necessário tratar o estresse, um dos principais causadores do bruxismo.

Lentes e facetas

As facetas de porcelana e lentes de contato são opções eficazes para tratar a perda do esmalte. Feitas sob medida, elas recobrem o dente natural e devolvem o seu formato, protegendo-o e trazendo ganhos estéticos e funcionais.

São peças muito finas coladas nos dentes que atuam como uma capa protetora. De um modo geral feitas em porcelana, elas também podem ser usadas para mudar o formato do dente ou sua coloração.

Tanto essas próteses como a restauração e as coroas ou blocos possibilitam a reconstrução do dente. Ele fica completo mais uma vez, promovendo a reabilitação oral do paciente, mas também pode ser preciso uma intervenção multidisciplinar.

Suplementação nutricional

O profissional pode diagnosticar que existe um comprometimento da mineralização do esmalte. Nesse caso, ele se mostra mais fraco e sensível, indicando que pode haver uma carência nutricional por parte do paciente.

Sendo assim, outra medida cabível é encaminhar o paciente para um médico a fim de realizar exames e suprir essas carências nutricionais. Isso pode ser feito tanto pela mudança na dieta como pela suplementação, o que varia conforme a necessidade do paciente.

É muito importante entender que, embora o esmalte dentário seja a formação mineral mais dura do corpo humano, ele também é sensível. Por isso, a perda do esmalte do dente deve ser prevenida para manter o equilíbrio da saúde bucal e um belo sorriso.

É comum as pessoas provocarem agressões ao esmalte sem saber. Por isso, compartilhe essas informações em suas redes sociais e mantenha seus amigos bem informados.