Perder um ou mais dentes pode ter reflexos bem negativos na vida de uma pessoa. Dentre as consequências sofridas, a mastigação deficiente, os problemas de fonética e o constrangimento social são as mais graves para a saúde física e psicológica desse indivíduo.

Felizmente, os avanços odontológicos acabaram por permitir soluções satisfatórias para tal situação. Entretanto, muitas pessoas ainda têm dúvidas com relação ao tipo de prótese a ser escolhida ou mesmo sobre sua manutenção e sua eficiência.

Pensando nisso, abordaremos, a seguir, as principais informações sobre o tratamento e os tipos de prótese dentária. Continue a leitura e descubra tudo sobre o assunto!

Como funciona o tratamento?

O tratamento com próteses dentárias varia de acordo com o caso do paciente. Dessa forma, é necessário que o dentista responsável realize, primeiramente, uma avaliação das condições da boca do indivíduo para determinar o melhor tratamento possível.

Tal avaliação leva em conta o número de dentes faltosos, o período de tempo desde a sua perda e outros fatores, como idade ou presença de alguma enfermidade no paciente. Além disso, é necessário que a própria pessoa analise as opções oferecidas pelo dentista, de modo que o tratamento caiba em um orçamento compatível com sua situação financeira.

Quais os principais tipos de prótese dentária?

Existem basicamente duas classificações de prótese dentária: a fixa e a móvel. De maneira geral, o tipo móvel tem a vantagem de poder ser retirado diariamente para a higienização, enquanto o fixo fica encaixado em estruturas de implantes dentários ou nos próprios dentes adjacentes ao espaço.

Confira, agora, os principais tipos de próteses fixas e móveis:

Prótese total removível ou dentadura

A prótese total removível é conhecida popularmente como dentadura. Ela costuma ser indicada para casos em que o paciente sofreu a perda de todos os dentes, de modo que será produzida uma peça móvel inteiriça para substituir ambas as arcadas dentárias.

A produção da prótese total removível ocorre a partir de uma moldagem da boca do paciente, sendo que a peça tem um encaixe perfeito. A principal vantagem é a facilidade de higienização, uma vez que é possível removê-la diariamente, sem qualquer problema.

É importante salientar que o sucesso desse tratamento depende da quantidade de osso e qualidade de gengiva remanescente na boca do paciente. A avaliação da integridade desses elementos se mostra bastante necessária, uma vez que a prótese depende dessas estruturas para que seja fixada.

Além disso, é possível que a presença da dentadura na boca possa acelerar um processo de perda óssea. Essa perda vem com o uso da prótese total removível ao longo dos anos, o que pode dificultar a eficiência da mastigação progressivamente.

Prótese parcial removível convencional

Mais conhecida como ponte-móvel, a prótese parcial removível é ideal para aqueles que têm uma quantidade considerável de dentes remanescentes. Nessa peça, os dentes faltosos se fixam na boca do paciente por meio de uma estrutura com grampos metálicos. Tais grampos, por sua vez, utilizam os dentes naturais como pilares para firmarem a prótese como um todo.

A prótese parcial removível tem a facilidade de higienização como uma de suas grandes vantagens, uma vez que pode ser removida completamente da boca. O ideal é que sua higienização seja realizada após cada refeição.

Por outro lado, pode-se dizer que a principal desvantagem é a questão estética, já que os grampos metálicos podem, muitas vezes, se mostrar em evidência na boca do paciente. Além disso, é comum que algumas pessoas levem certo tempo para se adaptarem corretamente à utilização desse tipo de prótese.

Prótese flexível

A prótese flexível é uma alternativa ao tipo parcial móvel, utilizado em alguns casos específicos. Tal prótese é confeccionada a partir de uma resina flexível, que substitui a utilização dos grampos metálicos para a fixação na boca do paciente.

Essa opção é, geralmente, adotada em casos de pacientes muito idosos ou em recuperação. Uma das grandes vantagens dessa modalidade de prótese dentária é a questão estética, uma vez que o modelo dispensa o uso dos grampos metálicos. Entretanto, normalmente é mais frágil e menos durável do que a prótese parcial removível convencional.

Prótese parcial fixa

Também conhecido como ponte fixa, esse tipo de prótese é ideal para substituir pequenas áreas protéticas em pacientes que não podem se submeter a implantes osseointegrados, por motivos de saúde, condição óssea precária ou condição financeira.

Neste caso, a prótese é fixada aos dentes adjacentes ao espaço (pilares) através de coroas unidas por uma estrutura interna mais rígida (prótese fixa convencional). Há também a prótese fixa adesiva em que os pilares sofrem pequenos desgastes para acomodar uma estrutura menor e mais fina mas sem que sejam fabricadas coroas totais sobre eles, preservando os dentes naturais. Em ambos os casos, o elemento faltante fica suspenso no espaço mas em contato suave com a gengiva, de forma que esteticamente o tratamento é bem satisfatório.

Possui como desvantagens o maior desgaste dos dentes adjacentes e o acúmulo de forças mastigatórias sobre eles, e a necessidade de uma higienização especial, pois deve-se passar o fio dental por baixo do dente suspenso.

Implantes dentários

O implante dentário é um tratamento protético que tem se tornado cada vez mais popular nas clínicas e nos consultórios odontológicos. A técnica consiste na instalação cirúrgica de pinos de titânio na mandíbula ou maxila do paciente, de modo que, posteriormente, seja colocada uma prótese rosqueada sobre eles.

Esse tipo de prótese é bem-sucedido em aproximadamente 98% dos casos de pacientes normais e traz uma sensação extremamente semelhante à dos dentes naturais. Entretanto, é necessária uma avaliação odontológica detalhada para determinar a densidade da estrutura óssea que receberá o implante, assim como da saúde bucal em geral, a fim de garantir o melhor resultado possível.

Quais cuidados devem ser tomados?

O principal cuidado referente à utilização de qualquer prótese dentária diz respeito à sua correta higienização. Seja fixa ou móvel, o paciente deve higienizá-la após todas as refeições.

Isso porque, mesmo sendo confeccionadas em um material sintético, as próteses podem acumular placas bacterianas. Consequentemente, são causados problemas gengivais — ou, ainda, o indivíduo pode passar a ter mau hálito.

Outro cuidado importante é a visita regular ao consultório odontológico, para a devida manutenção da prótese. Cada material utilizado na construção das diferentes próteses tem um tempo de duração e deve ser substituído, garantindo a manutenção da funcionalidade e da integralidade da peça.

E então? Gostou de saber mais sobre o tratamento e os tipos de prótese dentária existentes? Assine nossa newsletter e receba outros conteúdos como este em sua caixa de e-mail!