A perda dentária é um problema que precisa ser devidamente tratado, visto que a ausência de apenas um dente já pode trazer complicações para os outros elementos. Normalmente, a melhor opção para reabilitação de dentes perdidos envolve os implantes dentários, feitos de titânio e fixados diretamente no osso alveolar. Entretanto, em alguns casos o paciente decide não fazê-los e optar por outros tipos de próteses. Entre essas opções de tratamento está o uso de prótese dentária fixa ou móvel.

Ambos os recursos são eficazes para promover a reabilitação oral, porém, existem diferenças entre eles. Por esse motivo, preparamos este post para ajudar você a entender as características de cada uma dessas próteses, suas indicações, vantagens e desvantagens, a fim de descobrir qual é a melhor. Acompanhe!

O que diferencia esses dois tipos de próteses?

Tanto a prótese dentária fixa como a móvel podem ser apoiadas sobre implantes. Porém neste post abordaremos somente o tratamento sem implantes. Esses dois recursos ajudam a completar o sorriso, trazem ganhos estéticos para a saúde bucal, bem como para a funcionalidade da arcada dentária.

A diferença principal entre eles está no fato de que a fixa não pode ser retirada da boca, diferentemente da móvel, que é própria para isso. Entretanto, existem outras particularidades para cada um desses modelos. Veja a seguir!

Prótese dentária fixa

Como dito anteriormente, essa opção não pode ser retirada da boca, a não ser com a intervenção de um dentista. Ela permanece na cavidade oral dia e noite para permitir a alimentação e higienização bucal.

Para ser colocada é necessário que o paciente possua dentes saudáveis, que servirão como suporte no momento do encaixe, uma vez que sua fixação é feita por colagem nas estruturas dentárias remanescentes. 

Sua grande vantagem é a segurança oferecida para a pessoa no dia a dia. Por não se movimentar, não existe o risco dela desencaixar ou cair da boca. No entanto, pode ser preciso realizar desde um pequeno desgaste até confecção de coroas totais nos dentes restantes para encaixá-la.

Além disso, seu valor costuma ser um pouco mais elevado do que a prótese removível, mas isso pode variar.

Prótese dentária móvel

Pode ser retirada da boca quando o paciente desejar. Sua indicação é para substituição parcial dos dentes ou então da totalidade da arcada, ou seja, quando não há nenhum dente. Para que permaneça fixa na boca, ela é encaixada na gengiva, no palato — céu da boca — ou demais dentes. Uma de suas vantagens é o seu valor, geralmente mais baixo do que de uma prótese fixa.

Contudo, traz a desvantagem de não oferecer tanta segurança por estar apenas encaixada e o paciente pode não se adaptar a ela. De toda forma, é uma excelente opção para quem não pode realizar a reabilitação oral por outros métodos.

Como escolher a ideal?

O principal requisito para escolher entre a prótese dentária fixa e a móvel é a necessidade do paciente. Isso é avaliado pelo dentista, com base no histórico clínico e médico do paciente, nas condições financeiras, e nos remanescentes dentários que irão servir de suporte. Consideram-se também aspectos estéticos, mecânicos e biológicos.

Os pacientes que não possuem nenhum dente, por exemplo, não podem usar uma prótese fixa porque não é possível encaixá-la. Nesse caso, a solução seria a móvel ou a colocação de implantes.

A prótese fixa pode ser mais invasiva, necessitando de desgastes maiores nos dentes. Consequentemente seu custo biológico é maior. Tanto a prótese removível apoiada em dentes quanto a fixa acabam por sobrecarregar os dentes pilares, pois a distribuição das forças da mastigação não se dá diretamente no osso do local onde houve a perda dentária, como ocorre com os implantes osseointegráveis.

A prótese removível tende a ser mais desconfortável, pois a sua estrutura é maior e pode influenciar na posição da língua. Então, esse é mais um fator que o paciente terá que estar preparado para se adaptar. A higienização por outro lado é mais fácil pois pode ser feita fora da boca.

Quais são os cuidados com a prótese?

Seja para a prótese dentária fixa ou móvel, o paciente precisa ficar atento à sua higienização bucal e à alimentação. A peça prolifera bactérias e, por isso, é fundamental fazer uma boa escovação diária. Já alguns alimentos podem causar danos a ela. Aqueles muito duros, por exemplo, causam trincas e quebras no material. Outros, têm corantes e provocam alteração em sua coloração.

As visitas ao dentista devem acontecer dentro da periodicidade recomendada por ele, para que seja observada a estrutura da prótese, bem como sua condição com o passar do tempo.

Tanto a prótese dentária fixa como a móvel são boas opções para substituir dentes faltosos. A escolha do tipo ideal é feita pelo profissional, em conjunto com o paciente, de acordo com suas necessidades e expectativa para o tratamento, para que haja satisfação com os resultados.

E aí, gostou deste post? Acha que precisa de uma prótese dentária? Então, deixe seu comentário e conte para a gente também os cuidados que você já tem para manter um belo sorriso!