Não é somente a cárie que se manifesta quando não higienizamos os dentes e a boca do jeito certo. O acúmulo de resíduos alimentares estimula a formação da placa bacteriana e, quando ela não é retirada, se forma o tártaro — que somente é removido por meio de uma raspagem periodontal.

Talvez você já tenha feito esse procedimento no consultório odontológico, mas nem todo mundo conhece a técnica por esse nome. De toda forma, o importante é você saber que ela é muito importante para garantir a saúde dos seus dentes e tecidos periodontais.

Por isso, neste post falaremos um pouco mais a respeito desse tipo de raspagem para que você entenda o que ela é e quando é indicada. Saiba também como é realizada e quais cuidados devem ser tomados antes e depois do procedimento!

A raspagem periodontal

Quando os resíduos alimentares estão recentes nos dentes, eles têm uma textura pastosa, mas isso se modifica com o passar do tempo. Quando não são retirados por meio da escovação e do uso do fio dental, se solidificam.

A reação promovida com a saliva estimula a calcificação desses resíduos, que formam cálculos conhecidos pelo nome de tártaro. Isso ocorre tanto entre os dentes como nas bordas da gengiva — e ainda abaixo desse tecido, uma condição conhecida como tártaro subgengival.

Quando o acúmulo de resíduos chega nesse estágio, o tártaro somente pode ser removido por um especialista por meio da raspagem. Essa é a técnica empregada para retirar os cálculos e evitar que as bactérias causem inflamações e infecções nos tecidos periodontais ou migrem para o organismo e atinja órgãos como o coração e os pulmões.

Indicações de quando esse procedimento é necessário

Esse tipo de raspagem é um dos procedimentos que são realizados pelo dentista durante a limpeza feita no consultório. Por isso, muitas vezes é chamada apenas assim, de limpeza, mas, na verdade, o método é um pouco mais complexo e de extrema importância.

Ele é indicado para todas as pessoas e deve ser feito a cada 6 meses na visita de rotina ao dentista. Mas, também é necessário quando o paciente apresenta inflamações, infecções e outros problemas na gengiva e demais tecidos do periodonto.

Então, a raspagem periodontal tem indicação como medida preventiva e de manutenção da saúde bucal, assim como para restabelecê-la quando o paciente apresenta alguma complicação já instalada.

Esse é o caso de quem está com gengivite, periodontite, sangramentos gengivais ou retração gengival. Isso porque todos esses problemas são ocasionados, principalmente, em função da ação de bactérias decorrentes de resíduos alimentares.

A raspagem também é feita antes da colocação de próteses, lentes de contato ou facetas de porcelana para garantir que não haja nenhum cálculo e que os dentes estão perfeitamente limpos e prontos para receberem essas peças. Dessa forma, não existe risco de complicações ou perda do tratamento.

Realização do procedimento

Para a realização da raspagem periodontal, o dentista tem a opção de utilizar o aparelho de ultrassom e a cureta periodontal. Em algumas vezes, ambos equipamentos são adotados com o intuito de obter resultados ainda melhores.

De toda forma, o profissional é quem define como ela pode ser feita de forma mais eficaz em cada caso. Isso porque pode variar bastante em função da necessidade do paciente e da gravidade do problema.

Algumas pessoas apresentam apenas pequenos pontos de tártaro, enquanto outras podem ter um acúmulo excessivo de cálculos. É por isso que o tempo do procedimento também varia significativamente.

O profissional pode realizar a raspagem periodontal em apenas uma consulta e em poucos minutos. Mas, também pode ser preciso que o paciente compareça a outras consultas para que o procedimento seja realizado em mais de uma sessão.

Independentemente da necessidade de cada pessoa, o método é realizado da mesma forma. Com o ultrassom, o dentista percorre todos os dentes a fim de que o equipamento possa atuar na eliminação do tártaro. Isso não exige tanta força das mãos e braços do profissional.

Quando a raspagem é feita com a cureta, o equipamento também percorre os dentes e a área subgengival. Quando uma barreira é encontrada, isso significa que ali existe um tártaro. O dentista prende o equipamento no cálculo e o retira puxando-o para que se desprenda do esmalte dentário.

Não se trata de um método invasivo, mas ele pode gerar um ligeiro desconforto para o paciente. Isso ocorre em especial quando existe muito tártaro e ainda uma sensibilidade nas gengivas, o que causa uma leve sensação dolorosa e pequenos sangramentos.

É importante ressaltar que esses incômodos são mais expressivos para as pessoas que estão com a saúde bucal abalada. Por isso, em alguns casos, o dentista solicita uma preparação antes da realização da raspagem.

Cuidados que devem ser tomados

Antes do tratamento

Esse procedimento é essencial para eliminar os resíduos que desencadeariam ou estão desencadeando problemas bucais. No caso da gengivite, por exemplo, quando o tártaro é eliminado, é possível estacionar a inflamação para assegurar a recuperação dos tecidos.

Porém, para alguns pacientes a inflamação ou infecção já está tão agravada que é necessário tratá-la antes. Então, nesses casos o dentista pode indicar a utilização de enxaguantes bucais ou cremes dentais com ação terapêutica que combatem às bactérias.

Quando o problema é mais grave, o profissional ainda indica o uso de anti-inflamatórios e antibióticos por via oral. Isso para que os tecidos se fortaleçam para serem submetidos ao procedimento de raspagem.

Nesse caso, o intuito é evitar o sangramento excessivo, desconfortos e dores para o paciente. Afinal, os problemas na gengiva por si só já causam sensações dolorosas, então, é mais interessante minimizar essa sensibilidade para que a raspagem seja feita de uma forma mais eficaz e confortável.

Após o tratamento

Após a realização desse procedimento, é recomendado que o paciente evite a ingestão de alimentos muito ácidos. Isso porque, como as bordas da gengiva estão um pouco mais sensíveis, ocorrem desconfortos e agressões para os tecidos do dente.

Outras recomendações específicas são feitas somente em casos especiais. É muito importante seguir os conselhos do profissional para que dentes e gengivas se recuperem de forma adequada.

Mesmo quando a pessoa mantém uma higiene bucal regrada, existe a necessidade de realizar esse procedimento. Isso porque, como dito, o tártaro se forma também abaixo da linha da gengiva, e quanto há bolsas periodontais muito profundas, a escova pode não alcançar.

Por isso, é aconselhável agendar uma consulta para que você passe pela avaliação de um especialista e descubra se já está na hora de fazer a raspagem periodontal em seus dentes. Não se esqueça de que ela é fundamental para garantir a sua saúde bucal e orgânica.

E aí, gostou do assunto do post? Então, para continuar aprendendo a cuidar bem dos seus dentes, assine nossa newsletter. Assim, você terá acesso a conteúdos tão interessantes quanto este diretamente no seu e-mail!